Origem da expressão “lanterna”

Usada para caracterizar quem chega por último, a expressão “lanterna” surgiu após uma edição da Volta da França. O último colocado passou a ser chamado de “lanterne rouge” pelos outros ciclistas, a fim de referenciar o vagão final de um trem e as luzes que brilham dele, que é uma forma de indicar que nenhum se desprendeu dele e que é realmente o último. A frase acabou sendo encurtada aqui no Brasil.

Origem da expressão “puxa saco”

Usada para caracterizar alguém que é muito bajulador, a expressão “puxa saco” surgiu no meio militar. Durante as viagens, alguns oficiais costumavam carregar os sacos de roupa suja dos seus superiores, ganhando assim, o apelido de puxa saco. Com o passar dos anos, esse termo saiu do ambiente militar e passou a fazer parte do vocabulário popular.

Origem da expressão “meia tigela”

Usada para caracterizar alguém ou algo que não é bom o suficiente para executar alguma tarefa, a expressão “meia tigela” vem de um sistema usado na monarquia portuguesa. Naquela época, os empregados recebiam sua alimentação dos patrões de acordo com a qualidade do serviço que faziam. Aquele que se saía melhor ganhava uma tigela cheia de comida. Porém, quem apresentava um trabalho mal feito, ganhava apenas meia tigela de comida.

Origem da expressão “segurar vela”

Usada para designar quando alguém acompanha um casal sozinho, a expressão “segurar vela” surgiu de um costume que existiu durante a Idade Média. Nessa época, era comum os senhores feudais terem empregados cuja a função era única e exclusivamente segurar as velas para os empregados mais experientes conseguirem fazer suas tarefas no escuro. Às vezes, essa tarefa também se aplicava durante as relações sexuais dos patrões, onde o serviçal deveria ficar de costas para não ver o que estava acontecendo.

Origem da expressão “espírito de porco”

Usada para caracterizar alguém malicioso ou que só atrapalha, a expressão “espírito de porco” surgiu dos livros do Antigo Testamento, onde os porcos possuíam a fama de que são impuros e demoníacos. Um outro exemplo é a históriado Evangelho de São Marcos no Novo Testamento, que conta que, para salvar um grupo de humanos que haviam sido possuídos por espíritos ruins, Jesus os transferiu para uma vara de porcos que estavam passando pelo local.

Origem da expressão “a cobra vai fumar”

Usada para designar que algo muito importante está para acontecer, a expressão “a cobra vai fumar” surgiu durante os acontecimentos da 2ª Guerra Mundial. A FEB (Força Expedicionária Brasileira), que lutou na Europa na 2ª Guerra, tinha um símbolo curioso de uma cobra fumando um cachimbo. A figura foi criada em resposta à um Jornalista do Rio de Janeiro que fez uma declaração provocativa à Força, a qual dizia que “era mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra”.

Origem da expressão “bicho de sete cabeças”

Usada para caracterizar um problema ou uma situação muito difícil de resolver, a expressão “bicho de sete cabeças” surgiu das histórias mitológicas de Hércules e os 12 Trabalhos. Um dos monstros que o semi-deus teve que enfrentar foi a Hidra, uma serpente gigante de sete cabeças que vivia nos pântanos da Grécia. Não bastasse a figura aterrorizante do bicho, outra dificuldade logo se apresentou à Hércules: Cada vez que o homem cortava uma cabeça da serpente, outras três nasciam no lugar da que tinha sido arrancada. A criatura só foi derrotada ao ter o coração perfurado.

Origem da expressão “motorista barbeiro”

Usada para designar quem não é bom motorista, a expressão “motorista barbeiro” teve origem por volta do século XIX, quando era comum os barbeiros fazerem todo tipo de serviço além do corte de cabelo e barba, inclusive cuidados médicos. Logicamente, como nenhum deles era profissional em nenhuma dessas outras áreas, o trabalho acabava sendo mal feito.
Então, não demorou para que a associação à qualquer serviço de má qualidade aos barbeiros fosse feita. Sempre que algum trabalho de baixa qualidade era visto, diziam: “que coisa de barbeiro!”. No Brasil, essa expressão acabou sendo usada apenas para se referir à maus motoristas.

Origem da expressão “salvo pelo gongo”

A expressão “salvo pelo gongo” pode estar relacionada com uma doença rara, chamada de catalepsia, onde os membros do indivíduo se enrijecem de tal forma que ele não consegue se mover. Muitas pessoas que sofriam desse mal na Antiguidade eram dadas como mortas e acabavam sendo enterradas vivas. Os arranhões encontrados do lado de dentro dos caixões posteriormente comprovavam essa realidade.

Mas o que deu origem de fato à expressão popular foi um mecanismo criado pelos ingleses durante o século XVII; O braço do “defunto” era amarrado a uma corda, ligada a um sino do lado de fora do túmulo. Dessa forma, se o indivíduo tivesse sido enterrado equivocadamente, o mecanismo seria ativado devido à sua movimentação e ele seria, literalmente, “salvo pelo gongo”.

Origem da expressão “engolir sapo”

Usada para designar o ato de suportar uma situação desagradável sem hesitar ou reclamar, acredita-se que a expressão “engolir sapo” tenha surgido a partir das pragas que atingiram o Egito Antigo, no tempo de Moisés, relatadas na bíblia.
Uma dessas pragas foi a infestação de rãs, ocorrida numa proporção tão grande que os egípcios se deparavam com vários desses animais pulando em seus pratos durante as refeições.