Os encontros consonantais são agrupamentos de duas ou mais consoantes que não possuem nenhuma vogal entre elas. Apesar de frequentemente serem confundidos com dígrafos, nenhum encontro consonantal pode ser considerado como tal, pois o que define um dígrafo é o fato de duas letras formarem apenas um fonema, o que não acontece nos encontros consonantais. Em português, esse tipo de agrupamento de letras pode acontecer de duas formas:

  • Encontros consonantais perfeitos: formados por consoante + L ou R na mesma sílaba. A pronúncia deles possui dois fonemas, porém, como não há vogal em sua composição, as letras que representam cada fonema não podem ser separadas.
  • Encontros consonantais imperfeitos: formados por consoantes que ficam em sílabas diferentes.

Existem também os encontros fonéticos, muito comuns no emprego da letra X e seu fonema /ks/. Nesse caso, o X é considerado dífono, ou seja, uma única letra representa dois fonemas. Uma mesma palavra também pode ter mais de um encontro consonantal, e algumas vezes três consoantes podem estar juntas na mesma palavra. Alguns estudiosos chamam esse fenômeno de encontro misto.

Exemplos:

  • Clava, bravo, briga, blindado, frígido, placar, triturador e triplo são exemplos de encontro consonantal perfeito.
  • Abdução, ritmo, explodir e oão são exemplos de encontro consonantal imperfeito.
  • Psicopata, pneu e pseudo são exemplos de encontros no começo da palavra.
  • xi e máximo são exemplos do encontro consonantal fonético.
  • Estrutura, extravagante e infiltração são exemplos de um encontro consonantal imperfeito e um perfeito juntos.