Os termos acessórios da oração são os últimos termos que aparecem. Diferente de todos os outros, os termos acessórios são dispensáveis para o sentido da oração, ou seja, com ou sem eles é possível compreender a mensagem. Entretanto, isso não significa que eles são inúteis. Os termos acessórios servem para caracterizar e tornar o sentido de uma oração mais específico. Servem também para dar ênfase, expressar alguma circunstância, explicar, resumir e outras funções expressivas. Iremos estudar quatro tipos de termos: adjuntos adverbiais, adjuntos adnominais, apostos e vocativos.

Adjuntos adverbiais

A função do adjunto adverbial é simples: modificar o verbo da oração, seja indicando alguma circunstância em que o processo verbal é desenvolvido ou intensificando o verbo, um adjetivo ou um advérbio. O adjunto adverbial é uma função sintática realizada pelos advérbios e locuções adverbiais, e sua classificação é feita de acordo com a circunstância expressa.

Exemplos:

  • Talvez eu viaje amanhã. – Adjunto adverbial de dúvida.
  • Eu não quero sair de casa. – Adjunto adverbial de negação.
  • Treinei muito para este dia. – Adjunto adverbial de intensidade.

Muitas vezes a circunstância que o adjunto adverbial quer transmitir é bem clara, mas isso não é regra. Nem sempre a dedução é tão obvia, e às vezes um mesmo adjunto expressa mais de uma circunstância. Segue uma lista de circunstâncias que podem ser expressas pelos adjuntos:

  • Afirmação
  • Dúvida
  • Finalidade
  • Meio
  • Companhia
  • Concessão
  • Assunto
  • Condição
  • Instrumento
  • Causa
  • Intensidade
  • Lugar
  • Tempo
  • Modo
  • Negação

Obs: Nas locuções adverbiais, é preciso ter muita atenção com à preposição utilizada. A mudança da preposição pode mudar toda a circunstância expressa pela locução.
Exemplo: “Vim do trabalho” e “Vim para o trabalho”. Ambos expressam uma circunstância de lugar, mas o primeiro indica origem (“do”) e o segundo indica destino (“para o”).

Adjunto adnominal

Os substantivos em uma oração podem ocupar mais de uma função sintática, mas independente de qual seja, ele pode ser caracterizado por um ou mais adjuntos adnominais. Esses adjuntos assumem uma função adjetiva, podendo ser formados por adjetivos e numerais, pronomes e locuções adjetivas. Esse termo da oração pode ser facilmente confundido com outros dois: o predicativo e o complemento nominal. Apesar da semelhança, eles têm funções diferentes e podem ser identificados na própria oração.

Exemplos:

  • Os seus últimos relatórios mensais ficaram bons.
  • Eles eram cientistas do governo.
  • O médico bonito chamou você.

Aposto

Aposto é um termo que tem uma função de ampliação, explicação, desenvolvimento ou resumo do significado e conteúdo de um outro termo. O núcleo do aposto é sempre uma palavra substantivada ou um próprio substantivo, normalmente destacado por pontuações (virgula ou dois pontos). A sua classificação está de acordo com a relação que estabelece com o termo referido. Conheça a seguir os cinco tipos de aposto e seus respectivos exemplos:

  • Explicativo – A geologia, estudo da terra, é uma área em expansão.
  • Enumerativo – As exigências do serviço são diversas: velocidade, objetividade, clareza, transparência.
  • Recapitulativo – Dinheiro, carros, mulheres, tudo isso vem junto com a fama.
  • Comparativo – Suas características, fortes e inconfundíveis, foram o suficiente para localizá-lo.
  • Especificativo – O comediante Chico Anysio morreu.

Vocativo

Vocativo são palavras que nomeiam o receptor da mensagem. São termos independentes da oração, não fazem parte nem do sujeito nem do predicado. Normalmente relacionado com ideia de chamar a atenção, são funções substantivas, por isso formadas por substantivos ou palavras que assumem esse papel. Costumam ser separadas do restante da oração por virgulas.

Exemplos:

  • Criança, não tenha medo!
  • Senhoras e Senhores, preparem-se para o show.
  • Eu te amo, meu bem.
  • O jantar, esposa minha, está te esperando.