Na língua portuguesa escrita, a acentuação é um dos elementos mais difíceis de serem memorizados. Porém, ao contrário do que se pensa, os acentos em nossa escrita não são tão complicados de serem aprendidos. A acentuação, na maioria das vezes, é feita para indicar a tonicidade de uma palavra escrita. Embora oralmente nós possamos nem notar, o acento faz uma grande diferença na hora de escrever as palavras.

Tipos de acentos gráficos

Aprender quais são os acentos gráficos da língua portuguesa e quais são suas funções é tão importante quanto aprender onde usá-los. No português, utilizamos quatro acentos, cada um representado por um símbolo. São eles:

  • Acento Agudo (´) – Sua função é simples: indicar a as vogais tônicas. O acento agudo sempre será usado na vogal da sílaba tônica. Quando aparece sobre o “e” e “o” também indica um timbre aberto.
  • Acento Circunflexo (^) – Só é usado nas vogais “a”, “e” e “o”, e além de indicar a vogal tônica, indica também o timbre fechado na pronúncia.
  • Til (~) – Também conhecido como “tilde”, é usado nas vogais para indicar nasalidade. Não necessariamente é usado na vogal tônica. Uma palavra pode ter um acento til e outro agudo ou circunflexo.
  • Acento Grave (`) – Mais conhecido como crase, é o acento que indica uma fusão entre as preposições “a” e “as” com os pronomes demonstrativos “a” e “as”, ou com a letra inicial de “aquela(s)”, “aquele(s)” e “aquilo”, além dos artigos definidos femininos “a” e “as”.

Uso dos acentos gráficos

O uso dos acentos gráficos tônicos (agudo e circunflexo) está relacionado a alguns fatores. São eles: sílaba tônica, terminações, pronúncia e encontros de vogais. Além disso, os acentos podem ser usados para diferenciar palavras que têm a mesma grafia. Veja as regras gerais abaixo:

Monossílabos

  • Acentua-se os monossílabos tônicos terminados em “a”, “e” e “o”, seguidos de “s” ou não. Exemplos: pá, cá, lá, já, gás, pé, fé, três, ré, pó, vô, dó, nós.
  • Não são acentuados os monossílabos terminados em “z”, “i(s)” e “u(s)”. Exemplos: paz, faz, dez, voz, vi, li.
  • Os monossílabos átonos também não são acentuados: artigos definidos, conjunções, preposições, pronomes oblíquos, contrações e pronome relativos.

Oxítonas

  • Sâo acentuadas as oxítonas terminadas em “a(s)”, “e(s)” e “o(s)”, assim como as monossílabas. Exemplos: café, xará, cipó, guaraná, cadê.
  • Levam acentos também as oxítonas terminadas “em” e “ens”. Exemplos: alguém, parabéns, amém.

Paroxítonas

  • São acentuadas as paroxítonas terminadas em “i(s)” e “u(s)”. Exemplos: táxi, júri, lápis, vírus, bônus.
  • As palavras paroxítonas terminadas em consoantes também são acentuadas. Exemplos: difícil, Éden, ônix, túnel, íons.
  • Terminações “ã(s)” e “ão(s)” em palavras paroxítonas também levam acentos. Exemplos: ímã, bênção, sótão.
  • Paroxítonas terminadas em ditongo (seguido ou não de “s”) levam acento. Exemplos: área, várzea, contínuo, água.

Proparoxítonas

São acentuadas todas as palavras proparoxítonas. Exemplos: tráfego, máquina, veículo, lágrima, sólido, lógica, música.

Ditongos

Os ditongos “eu”, “ei” e “oi” com pronuncia aberta são acentuados. Exemplos: céu, papéis, dói, réu.

Hiatos

São acentuados os hiatos onde as letras “i” e “u” estão em uma sílaba isolada e são precedidas de vogal. Exemplos: saída, caída, viúva, saúde.

Acentos diferenciais

Algumas palavras de grafia semelhante e pronúncia diferente requerem o uso obrigatório de acentos para que possam ser diferenciadas pelo leitor. Exemplos: pôde (pretérito perfeito do indicativo do verbo “poder”)/ pode (verbo no presente do indicativo do verbo “poder”), pôr (verbo)/ por (preposição), vêm (terceira pessoa do plural do verbo “vir”)/vem (terceira pessoa do singular do verbo “vir”).